20 janeiro 2013

Lance Armstrong


A notícia mais falada desta semana, no campo desportivo, foi a entrevista que o ciclista norte-americano Lance Armstrong concedeu à apresentadora Oprah Winfrey. Motivo: doping.
Começo for frisar que não acompanhei a carreira deste atleta, talvez porque o ciclismo é uma modalidade que perdeu, pelo menos para mim, algum interesse ao longo dos anos. No entanto, nunca fiquei indiferente à novela “Lance & Doping: sim ou não?”.  
Durante muito tempo, as suspeitas à volta do caso foram mais que muitas. Lance, que venceu um cancro nos testículos e continuou a sua carreira desportiva, negou o uso de substâncias, afirmando sempre a sua inocência.
Esta semana, o ciclista norte-americano cedeu e deixou cair a máscara. Na entrevista, confirmou o uso de (muitas) substâncias e afirmou ser impossível um ser humano vencer 7 vezes seguidas a Tour de France (1999-2005) – “Estava a viver uma grande mentira”.
Cai um mito.
Muitas pessoas sentiram-se enganadas. Os seus fãs, os seus admiradores, os que estiveram do lado dele, os que apoiaram na sua Fundação, etc., etc.
Alegres ficaram os seus detractores, os seus colegas de profissão, todos aqueles que suspeitaram das proezas de Lance Armstrong sem o uso a substâncias dopantes.
O que ele fez destruiu a sua dignidade? Foi desonesto? A modalidade ficou ainda com pior imagem? Provavelmente sim, mas não podemos esquecer que ele não fez esta batota sozinho.
Não querendo desculpabilizá-lo por nada do que fez, não acho que Lance deva ser ostracizado, humilhado e, acima de tudo, não deve ser “morto” antes do tempo.
Para mim ele vai continuar a ser um atleta. Nem bom, nem mau. Apenas um ATLETA! E que por acaso gosta do que faz: correr numa bicicleta. Disto ninguém pode duvidar - “Competições é o que fiz a minha vida inteira. Adoro treinar e correr”.
Perguntas que deixo no ar:
1. Lance fez mais de 500 análises ao sangue e urina. Porque é que nunca foi detectado o uso de substâncias ilícitas?
2. Quando Lance ganhou as 7 Tour de France, nenhum ciclista que tenha ficado entre 2º e 10º, também não poderiam estar dopados?
3. Nas mesmas 7 Tour de France, sem o recurso ao doping e nas mesmas condições que os outros atletas, será que Lance não ganharia na mesma?
É que não é só tomar as substâncias, pedalar e ganhar. Se fosse assim, até eu ganhava uma Tour de France!
4. Lance estaria sozinho neste esquema? Se não está, o que é mais certo, quem são os outros culpados? Porque é que ainda não foram acusados?
5. Nos anos anteriores, se ele teve ou não vontade de assumir o problema perante o Mundo, quem é que não deixou? Quantas pessoas estarão envolvidas e agora devem estar numa posição difícil? Quantas centenas de pessoas terão a “cabeça a prémio”?

Este assunto não acabará tão depressa e será, infelizmente, uma marca negra no mundo do
desporto, ciclismo em particular.
E é um tema demasiado delicado para ser discutido serenamente em praça pública.
Penso que ele deve ser punido pelo que fez, mas não merece a “pena de morte”!

2 comentários:

  1. Como li em qqr lado: "ainda assim comeu a Sheryl Crow, só c um testículo". Vai é perder um dinheirão.

    ResponderEliminar

Deixe o seu testemunho, pois o seu comentário é muito importante.

Comentários anonimos não serão aceites e nem publicados. Utilize a opção Nome/URL para deixar o seu nome.

Obrigado.