28 maio 2011

Eleições

Esta semana, na freguesia onde eu moro, reparei que as estradas estavam bem sinalizadas. Até o pavimento tinha sido pintado, onde se nota bem as linhas que delimitam as duas vias dos carros.
Os jardins estão ainda mais bem arranjados.
Mas depois percebi todo este aparato.

As eleições são dia 5 de Junho.

22 maio 2011

Oração

Num jantar patrocinado pela Xana, com comidinha e sobremesa “compradas” num hipermercado perto de casa, assistimos à seguinte pérola:

Xana - Falta uma coisa antes de começarmos a comer.
Ricardo – O quê?
Xana – A oração. O que dizemos?
Luís – São 21h11m.
Xana - ???
Ricardo - ???
Luís – O que foi? Não perguntaste que horas são?
Xana – Não! Perguntei “qual é a oração?”
Luís – Ah…

Risota total. Foi um serão calmo e bem passado.
E depois fomos beber umas caipirinhas super potentes num bar com muito bom ambiente.

08 maio 2011

O carro é meu, mas...

Hoje de manhã fui abastecer o depósito do meu carro e, enquanto esperava pela minha vez, deparei com uma situação inacreditável, esquisita e nunca antes vista por mim.
Pai e filho (supostamente) estão dentro de um carro. De repente, o pai sai do lado do pendura e começa a pôr gasolina. O filho sai uns segundos depois do lado do condutor e observa o trabalhinho do senhor, de mãos nos bolsos.
Será que estou a ver bem?
A seguir, o pobre do homem vai pagar a conta, enquanto o filho liga o carro e dirige-se para a zona onde se verifica a pressão de ar dos pneus.
Quando o senhor chega de novo junto do carro, ainda vai medir a pressão dos quatro pneus e o filhinho dedica-se a mexer no telemóvel.
Depois vão-se embora!!!
Eu pensei: “Devia ser meu filho!”
Estou mesmo a imaginar o meu pai ir comigo a um posto de abastecimento e pôr a gasolina, pagar e ver-me a pressão dos pneus do meu carro.
Nem consigo classificar isto como serviço de criadagem.

03 maio 2011

Bomba... É preciso?

Fui comprar um colchão de campismo.
Simples e barato.
Fui enche-lo porque precisava para o fim de semana.
Mas tive um problema.
Não tinha nenhum equipamento para o encher.
Fui devolver à loja.

Assistente da loja: Não ficou satisfeito com o produto?
Eu: Fiquei, mas não tenho equipamento para o encher.
Assistente da loja: Mas levou a bomba de ar quando comprou o colchão?
Eu: Não. Onde estava?
Assistente da loja: Ao lado da caixa do colchão.
Eu (com cara de parvo): Ah…

Comprei a bomba de ar.
E lá vim todo satisfeito para casa.

Só faço figuras tristes.
Mas adoro.