01 março 2011

DGCI - Modelo 39: Parte II

Como era de esperar, os ficheiros em XML que enviei das empresas do indigesto Modelo 39, tiveram o final esperado: continham incorrecções!!!
E de quem é a culpa? Da Direcção-Geral dos Impostos, como é óbvio.
Os técnicos das Declarações Electrónicas enviaram-me um e-mail explicativo na elaboração desta aberração de Modelo. Mas esqueceram-se de mencionar um pormenor: todos os valores que fossem inseridos teriam de ser acrescentados com dois “zeros” à direita, para que fosse assumido automaticamente os cêntimos!
Exemplo: ao escrever um rendimento de 40000, o ficheiro assumiu automaticamente 400,00! Como contabilista que sou, mas sem ser especialista em programação, deveria saber isto “de letra”. Sou mesmo estúpido.
Liguei para o técnico que, resignado, lá me disse que esse pormenor, de facto, não tinha sido mencionado e as empresas teriam de enviar um Modelo de substituição.
E aconselhou-me a enviar uma reclamação, pois as instituições bancárias e várias empresas estavam a fazer o mesmo.
Reclamação? Óptimo! É a minha área!!!
E escrevi para as Declarações Electrónicas, na sugestiva caixa Pergunte – Nós Respondemos:
É do conhecimento de muitos contribuintes que o Modelo 39 (entre outros) tem de ser elaborado em ficheiro XML.
No entanto, como já devem ter constatado, não é muito viável um contabilista preencher o referido Modelo em formato XML como fosse um programador informático.
No entanto, fizemos o Modelo 39, mas apresenta "erros" ao tiramos o comprovativo, pois ao colocarmos 40000 de rendimentos, o mesmo apresenta 400.00 - erros que somos alheios, como devem calcular.
Sugerimos a V. Exas. um ficheiro (como existem para IRS, IVA, Modelo 22, etc.) para que os contribuintes possam preencher com mais facilidade.
Penso que se é dever do contribuinte apresentar todo o tipo de Modelos com a obrigatoriedade fiscal, também é o dever das Declarações Electrónicas disponibilizar esses mesmo Modelos com a maior transparência, de modo a facilitar o preenchimento dos mesmos.
Aguardando por uma resposta de V. Exas.

Já estou à espera da resposta…sentado! Para não me cansar.

2 comentários:

  1. E depois querem que as pessoas cumpram com as suas obrigações fiscais... eu sei bem como são essas inovações do fisco que ao fim e ao cabo só servem para complicar ainda mais a vida aos contabilistas...

    ResponderEliminar
  2. embora só tenha 18 anos, penso que o modelo 22, seja bastante fácil de usar, o modelo 39, depois de um contabilista qualquer, detectar esse erro/falha, pelo menos eu ia tentar ver o que se passava, sem ter de recorrer ao técnico, concerteza, que lhe ligava mais tarde para pedir explicações, mas se estou a inserir uma "carreira" de dados, tenho a obrigação de ir corrigir o erro. Há 1ª vista esse erro é bastante fácil de corrigir, pois assemelha-se bastante ao sistema usado pelas caixa multibanco, onde se têm também de inserir os 0. para a sua quantia de 40.000,00€, e vez de só inserir 4 zeros, passaria a inserir 6, e o seu problema ficava resolvido.

    Agora, com isto não quer dizer que o modelo não esteja errado, porque realmente tem as suas falhas, mas já que não nos dificultam a tarefa a nós contabilistas, no meu caso futuro gestor.

    Embora os TOC's, na minha opinião, agora com a entrada do SNC, tenham a vida mais facilitada, e ainda mais facilitada, com a vinda dos ROC's, pois vão corrigir/analisar o que está feito.
    Será isto uma vantagem ou desvantagem???

    Poderia-me dar a resposta, para o seguinte e-mail: sabix_16@sapo.pt.

    Obrigado

    ResponderEliminar

Deixe o seu testemunho, pois o seu comentário é muito importante.

Comentários anonimos não serão aceites e nem publicados. Utilize a opção Nome/URL para deixar o seu nome.

Obrigado.