25 agosto 2008

Jogos Olímpicos

Adoro os Jogos Olímpicos (JO).
São o único evento desportivo que ainda consegue captar a minha atenção, principalmente nas provas de Atletismo.
É demonstrado o verdadeiro espírito desportivo, com modalidades que eu nem sequer sabia da sua existência, com participantes de quase todos os países do Mundo, embora ainda persistam alguns casos de doping de atletas batoteiros.
Quanto às medalhas, a classificação do costume:

1º China – como já se calculava;
2º EUA – como já se previa;
3º Rússia – como seria normal;

46º Portugal – como uma grande desilusão.

Para não variar, foram criadas expectativas muito altas e os nossos atletas acusaram a pressão de ganhar as tais medalhas. Deram as desculpas do costume para o insucesso…

“ Lutei contra os árbitros.”
“ Treinei sozinho durante todo o ano com muito sacrifício.”
“ Não deu para mais, paciência.”
“Eu quero a minha caminha.”

Achei estas declarações exageradas. Se somos um país que tradicionalmente não conquista muitas medalhas, porque seríamos agora diferentes?
Como sugestão, propunha que levassem aos JO Londres 2012, aqueles polícias portugueses que conseguiram anular de forma precisa, os assaltantes que se barricaram com reféns no BES, no princípio deste mês. Modalidade: TIRO.
Era medalha de ouro na certa, mas já me disseram que não podem ir por serem militares. Que pena.

OBRIGADO NELSON!!!
OBRIGADA VANESSA!!!

10 agosto 2008

Estores

O apartamento que nós escolhemos para viver terá sempre histórias para contar. É um mundo que criamos à nossa maneira, com as nossas vivências. Umas boas, outras más, outras hilariantes.
Ontem, vivi mais um momento hilariante na minha casa que vou partilhar com todos vocês.
Uma das ripas dos estores do meu quarto estava quase partido e resolvi pedir ajuda ao meu pai para removê-la, pois sozinho não iria conseguir.
Quando estava a descer muito devagarinho os estores, a ripa desprendeu-se na sua totalidade. E o que aconteceu? Com a pressão da descida, 90% das ripas “acompanharam” a ripa partida e foi parar tudo à rua! Como eu moro num 5º andar, não será difícil imaginar o estrondo que não foi.
Abri a janela, olhei para baixo e fiquei aliviado porque não havia carros estacionados na direcção da queda das ripas, mas…um senhor estava a olhar cá para cima. Pensei: o que aconteceu ao homem?
Fui imediatamente à rua e para falar com o homem, por sinal meu vizinho.
- Está tudo bem consigo? Assustou-se? As ripas acertaram-lhe? – perguntei eu preocupado.
- Nãooooooo!!! Ehehehehe. Está tudo bem! Ehehehehe. A minha sorte foi que eu já tinha passado e os estores SÓ caíram depois. Eheheheheh – disse o homem todo sorridente.
- Ainda bem! Peço desculpa, mesmo assim. – disse eu, muito aliviado.
- Não faz mal, está tudo bem! São coisas que acontecem!
- Ok. (será?)
Pego nas poucas ripas que ficaram inteiras e tentei, mais o meu pai, colocá-las nas calhas. Demorámos montes de tempo, com a particularidade de as ripas do lado de fora (todas sujas) terem ficado no lado de dentro.
Mas como as ripas são insuficientes, lá vou eu ter de comprar um conjunto novo. Ao menos fico com uns estores novos e limpinhos.
Pessoal, um conselho: comprem casa nova. No princípio, podem ter problemas com os (cada vez menos) construtores “honestos” que vos aparecerem pela frente, mas a longo prazo deverá ser a melhor solução.
Mas eu não baixo os braços. Apesar de ter um infiltração na minha casa de banho há quase dois anos por resolver; ter ficado sem corrente eléctrica na sala, a pontos de mudar o quadro geral da electricidade; tive problemas na canalização do gás; o motor da máquina de lavar rebentou mesmo ao meu lado; não se conseguia abrir a porta do prédio porque a fechadura esteve danificada; e consegui inundar a cozinha e a sala, felizmente ainda sem móveis nas assoalhadas…eu ainda consigo dizer que gosto muito morar nesta casa.
Não percam os próximos episódios.