12 junho 2008

Anarquia em Portugal

Em 1991, numa aula de Economia, a minha professora disse para a turma inteira:

“Portugal é, a partir desta semana, um país desenvolvido. Deixámos de pertencer aos países considerados de Terceiro Mundo.”

Os meus colegas ficaram todos contentes. Eu nem por isso. É que na minha inocência/ignorância, eu não senti a diferença do estatuto. Ok, a CEE enviou bastante dinheiro como fundos comunitários para o desenvolvimento do país, a qualidade de vida melhorou, mas mesmo assim havia qualquer coisa que eu achava estranho. Qualquer coisa que não batia certo. Até porque muitos gestores aproveitaram esses fundos para “investirem” para o bolso deles. Pois é. 17 anos depois vê-se como está o país.
Um dia depois de se “comemorar” o dia de Portugal, o nosso país vive a maior crise política, judicial, económica e social de que há memória nestes 34 anos de democracia.
Por causa da escalada impiedosa dos preços dos combustíveis, assistiu-se ontem, dia 11 de Junho, um retrato fiel do nosso país:
- falta de combustíveis nos postos de abastecimento, prejudicando todos os sectores da economia;
- milícias e apedrejamento contra os camionistas que não aderiram à greve;
- mortes (!!!!) por atropelamento, na tentativa de barrar os camiões;
- prateleiras vazias nos hipermercados, principalmente na falta de produtos de primeira necessidade.
Incrível! Incrível!
- existem cada vez mais roubos e assaltos, as pessoas sentem-se inseguras;
- manifestações de descontentamento na educação, saúde, Função Pública;
- ameaças aos contribuintes com coimas e multas por parte da Administração Fiscal.
- fecho de várias urgências e maternidades só porque sim;
- alterações ao código de trabalho para beneficiar os parasitas da sociedade.
Incrível! Incrível!
E o governo? Não faz nada. O Primeiro-Ministro não dá a cara e nem apresenta soluções válidas e coerentes, o país encontra-se na reserva em muitos recursos considerados essenciais há vários dias. Caos total.
De facto, quando existe abuso de poder, o povo é quem mais sofre. E as represálias são enormes, principalmente de pessoas sem escrúpulos e com mau carácter.
Portugal vive numa anarquia alarmante, onde a taxa de desemprego não pára de aumentar; as pessoas vivem cada vez mais no limiar da pobreza; os ricos e os novos-ricos criam empresas para viverem mais as famílias à custa de tudo e de todos; os bens essenciais estão cada vez mais caros e as pessoas estão a deixar de os comprar; na Europa, quase todos os países de Leste já nos ultrapassaram em termos de riqueza/qualidade de vida; etc, etc, etc, etc.
Estamos em crise? Não meus amigos. O que acontece é que durante todos estes anos, Portugal esteve vestido com um belo casaco de peles para cobrir a miséria do corpo que tem. E agora estão quase todos a pagar a factura.
Eu não gostava de assistir a um novo 25 de Abril, mas se for para denunciar e limpar a merda que existe na cabeça de muito boa gente que todos nós conhecemos, pois façam o favor de avançar.
Como eu digo muitas vezes e está provado na História da Humanidade ao longo dos séculos…
"Nenhuma ditadura é eterna, todas acabam por cair"

2 comentários:

  1. pois é priminho. tens toda a razao. parece voltamos atras do 25 abril. mas para akilo que eu vejo, o nosso país parece piorar de um dia para o outro. mas nao podemos perder a esperança. a k ter forças e lutar o melhor pelo nosso país.

    ResponderEliminar

Deixe o seu testemunho, pois o seu comentário é muito importante.

Comentários anonimos não serão aceites e nem publicados. Utilize a opção Nome/URL para deixar o seu nome.

Obrigado.