17 fevereiro 2008

Clara

Sempre afirmei que se algum dia tivesse um bebé do sexo feminino, o nome que gostaria de lhe dar era Clara. Adoro este nome, mas já desisti da ideia. Isto porque existem nomes feios (ex: Felismina), bonitos (ex: Marina), os assim-assim (ex: Gonçalo), os comuns (ex: Ana), os extravagantes (ex: Índia) e os perigosos (ex: Clara). Estes nomes foram escolhidos ao acaso, que ninguém se sinta ofendido. É só um exemplo e uma opinião.
Qualquer nome pode dar origem a brincadeiras, trocadilhos ou ser alvo de comentários mais jocosos.
Já bastam os meus pais que tiveram a bela ideia de me baptizarem com o nome Luís, e eu ter de ouvir (ainda hoje) aquelas expressões deprimentes “O Luís, o Luís, já foi a Paris” – e eu respondo “Não, nunca fui, mas gostava de lá ir” – ou “Ó Luís, tira o macaco do nariz”. Ou o meu irmão que se chama Pedro e estarem sempre a dizer “Pedro Penedo da Rocha Calhau”.
Portanto, o nome Clara está fora de questão. É que pode ter interpretações de carácter sexual e depois, a minha filha iria culpar-me para o resto da minha vida.
Imaginem esta situação. A miúda está a almoçar com um amiguinho e este diz:
- Ó mãe, eu não quero ovo cozido, eu não gosto. Não me apetece!
A mãe, muito depressa, e já sem paciência para o aturar, resmunga:
- Está bem, está bem, mas ao menos deixa a gema e come só a Clara.
E se o puto faz a vontade à mãe?
Até uma certa idade, eu não me preocupo, mas depois é perigoso e se a catraia for danada para a brincadeira…sou avô antes do tempo!!!!