20 novembro 2007

Antenas paranóicas


Decoração de uma casa no seu exterior, no concelho de Loures, em pleno século XXI (vinte e um!). Digno de aparecer na rubrica “Portugal no seu melhor!”.

D

Eu acho que ainda cabe mais uma antena!!!



12 novembro 2007

Cortar o cabelo


De dois em dois meses, eu tenho um servicinho que é cortar o cabelo ao meu irmão. Não gosto, detesto, odeio. Ponto final. Mas como é para o chavalo, que remédio tenho eu senão fazer esse sacrifício.
Ele começa a sondar-me 15 dias antes do acontecimento, do tipo:

- “Tens alguma coisa para fazer sábado de manhã?”
- “Tenho! Neste sábado, domingo e no próximo fim-de-semana também.” – digo eu.

Ou

- “Precisava de um favor teu, já sabes…”
- “Não, não tenho tempo, não corto!” – respondo.

Vocês ainda devem pensar que o meu irmão quer alguma permanente, madeixas, cabelinho à foda-se ou cortado à tigela. Não. É, simplesmente, rapar o cabelo com a máquina – pente 2.
“Ah, então é fácil, lá estás tu com o teu mau feitio”, pensam vocês.
Aí é que vocês se enganam. O gajo está sempre a reclamar: ficou mal cortado à primeira aqui, ali, acolá; atrás não está bem rapado; em cima tem altos; cuidado com a tesoura nas patilhas…um stress. Às vezes dá-me vontade de o cortar a pente ZERO, e olhem que já faltou mais. Portanto Pedro, põe-te a jeito…com esses óculos e sem cabelo ainda serás o Gandhi português.
E o pior de tudo é que não sou pago pelo serviço.


EXPLORADOR!!!

08 novembro 2007

Polga

Muito se especulava o facto de Anderson Polga, jogador do Sporting, estar no clube dos azulejos desde 2002 e não ter ainda marcado qualquer golo.
Se na Liga continua em branco, na Champions já marcou o primeiro golo contra o Dínamo de Kiev. Ontem voltou a marcar no jogo contra o Roma, mas na própria baliza.
Ou seja, tomou-lhe o gosto….

05 novembro 2007

Top Secret

Vivemos num mundo cada vez mais tecnológico, onde se tenta simplificar cada vez mais o trabalho das pessoas. Na base de tudo isto estão os computadores, caixas milagrosas onde é registado tudo o que diz respeito à nossa vida quotidiana.
Mas para que os nossos dados sejam confidenciais, existem as passwords, os códigos de acesso, as senhas, com o nome que vocês quiserem dar. Como toda a gente, eu também tenho várias senhas destas e, são tantas, tantas, que resolvi criar um ficheiro em Excel com todas elas, não fosse eu esquecer de alguma.
Assim, sempre que me desse uma “branca” nalguma senha, recorreria a este ficheiro. Mas aconteceu-me uma coisa inesperada. Quanto criei este ficheiro, eu salvei-o e, por uma questão de segurança, criei uma password no bendito ficheiro, estando agora protegido.
Só que agora NÃO me lembro da senha que pus, ou seja, tenho um ficheiro de passwords com uma password de acesso que não sei qual é! Estou há mais de um mês a fazer várias tentativas, mas até agora sem sucesso e, ainda por cima, preciso de abrir este ficheiro para ver uma senha para entrar numa entidade privada.
Não escrevi a password num papel e nem sequer tenho a listagem de todos os códigos numa folha.
É irónico, não acham? Não! É burrice mesmo!